Reflexões Daniela Sousa

A ética cristã e o matrimônio

A ética cristã e o matrimônio

Há uma frase que parece batida que diz: o casamento é uma instituição falida. Esta frase revela um pessimismo e um desencanto em relação ao matrimônio. As pessoas não estão mais dispostas a enfrentarem as crises e as dificuldades como nossos avós enfrentavam. Os tempos são outros. Os números são assustadores, em 2015, foram registrados 328.960 divórcios no país. A informação consta nas ‘Estatísticas do Registro Civil 2015’ do IBGE.

As facilidades legais para separação, faz com que casais já no ato da união achar que “se não der certo, separa”. Esse tipo de pensamento fragiliza algo que é para ter início forte e concreto, tão concreto que é para toda vida. Isso me remete a uma frase de Mikel Garai: “Se uma pessoa diz a outra que a ama, a própria linguagem supõe a expressão “para sempre”. Não tem sentido dizer: Amo-te, mas provavelmente só durará uns meses, ou uns anos (..)”.

Vivemos tempos de respostas rápidas. Um clic e muitas respostas são apresentadas no computador. Tal ideia se repete na vida a dois, inclusive no meio cristão. O modo como as pessoas vivem também influencia a estabilidade conjugal. A vida profissional, o tempo apertado, o estresse gerado, a falta de comunicação são agravantes para a desestabilidade no matrimônio. O que fazer diante do quadro negativo que se apresenta? O que se pode fazer para mudar tal quadro? O que falta ao matrimônio cristão para que não desmorone e fique desacreditado?

Devemos refletir sobre as bases para o matrimonio cristão. Falta Palavra de Deus e uma ética pautada especialmente no amor. Faltam valores e princípios importantes para sustentação e desenvolvimento da vida a dois. Falta caráter cristão. A ausência de amor e perdão, por exemplo, pode gerar conflitos e desentendimentos que vão minando o relacionamento até chegar a um ponto insustentável, sem abertura para a reconstrução.

Vemos muitos pedindo orações por suas famílias e relacionamentos. Qual o problema? Parece que as pessoas estão trocando a obediência pela oração. Para algumas pessoas é mais fácil orar e esperar que as coisas aconteçam de forma sobrenatural do que se apropriar da Palavra de Deus e construir sua família e matrimônio sobre base sólida.

Construir ou reconstruir dá trabalho, demanda tempo e muitos não querem pagar o preço, embora seja recompensador, pois quem sai andando e chorando enquanto semeia, voltará com júbilo trazendo seus feixes (Sl 126). É mais fácil desistir, descartar o relacionamento.

 

Veja também:

 

Percebemos também alguns polos no matrimonio cristão. Se de um lado vemos a alienação religiosa de que tudo é pecado, e uma “espiritualização” do matrimônio, colocando o sexo, por exemplo, como algo pecaminoso. Vemos por outro lado, a ausência de uma ética cristã capaz de minar com a grosseria, a indiferença, o amargor, o egoísmo, o mau-trato, a frieza, a falta de carinho, o desamor e tantos outros sentimentos e comportamentos presentes no lar de muitos cristãos que fazem muito mal ao matrimônio.

O extremismo é danoso. Não tem oração que dê jeito a um relacionamento em que as partes não têm compromisso com a prática da Palavra de Deus. Seria como se o Senhor fosse cúmplice da hipocrisia.

O matrimônio cristão é a junção de duas pessoas diferentes, com culturas diferentes, pecadoras carentes da graça, que devem desenvolver atitudes, comportamentos cristãos capazes de contribuir para a solidificação e maturidade do relacionamento. A felicidade nessa convivência consiste em fazer o outro feliz. Não são duas metades para formar um todo. São duas pessoas inteiras, transformadas pelo Evangelho e sendo moldadas a cada dia, não de forma meramente religiosa e aparente, mas de forma profunda e verdadeira.

Sinergia pura! Vivendo para Deus, principalmente, tendo como consequência uma vida justa, que faça bem a quem está do lado. Não se anulando como pessoa, mas sendo alguém conforme Deus, vivendo em amor. Entendendo que a felicidade ou satisfação pessoal, nesse estilo de vida, consiste em fazer feliz, em buscar com pequenas atitudes diárias um sorriso a mais, um afago, um gesto de carinho.

Pequenos gestos, grandes resultados.

Daniela Sousa

Sobre o autor | Website

Criada no aprendizado e prática do evangelho, hoje membro da Igreja Bola de Neve - Caucaia, formada no Curso de Liderança de Casais MMI (Marriage Ministries International), conhecido como "Casados para sempre". Casada há 16 anos com Élcio Sousa, mãe do Victor Elion (13) e Pedro Guilherme (9). Formada em Educação Física e Bacharel em Direito. "Porque dele e por Ele, para Ele são todas as coisas". Rm 11:36

GARANTA GRÁTIS O SEU E-BOOK 1000 PERGUNTAS BÍBLICAS
Receba também os melhores artigos, estudos bíblicos, curiosidades bíblicas, reflexões e muito mais no seu e-mail!

100% livre de Spam

Desculpe, os comentários deste artigo estão encerrados.

2 Comentários

  1. Teve um momento da minha vida quando solteira, que pensei dessa forma se não der certo separa. Mas quando passei a ser cristã vi que não era dessa forma, por que se me casei com alguém que amo e so vou ama-la em momentos bons? jamais, fiz um propósito, me comprometi que viveríamos pelo resto de nossas vidas e não por obstáculos do dia a dia e agradeço a Deus por abrir meu olhos e ouvidos a Ele, por me fazer uma esposa submissa, algo que muitas mulher não querem ser, e que é bíblico, e não entendem que ser submissa é entrar em acordo com o cônjuge e não ser escrava como muitas pensam, são pessoas com falta de Deus e discernimento.
    Vocês estão de parabéns 👏👏👏 adorei

  2. Thiago Ximenes disse:

    Excelente texto Dani , cheio de frases com grandes valores, no entanto a que me chamou mais atenção foi a última “pequenos gestos,grandes resultados ” prq na verdade tudo que precisamos as vezes é um elogio , um beijo inesperado, algo simples que vai te fazer ver um sorriso sincero e te fazer mais feliz .